“Assimila o que puderes, das verdades destas páginas — e cria em tua alma uma atmosfera propícia para compreenderes mais, com o correr dos anos e tua progressiva evolução espiritual, que consiste essencialmente na abolição do egoísmo em todos os seus aspectos, e na proclamação de um amor sincero e universal para com todas as criaturas de Deus”. — Huberto Rohden

O trabalho de base na busca do Ser que somos

A busca da verdade empreendida por uma mente deformada pelo ódio, pela raiva, pelo preconceito, pela amargura ou pela ganância, ou deficiente na concentração, na calma ou na aspiração deve terminar em fracasso, que será parcial ou total, na medida em que essas condições negativas forem parciais ou totais. É por isso que o Caminho Longo é necessário. Dois processos são exigidos: a limpeza do corpo e a limpeza do caráter... O trabalho interior de purificação mental e a labuta da limpeza emocional prosseguirão constantemente. Muitas vezes num único dia será exigido rejeitar pensamentos errados e repelir sentimentos inferiores. O primeiro estágio é negativo e preparatório. Trata-se de escapar às forças animais-passionais e aos complexos emocionais inferiores que tanto o tornam criatura desta terra. Preso nas malhas da natureza inferior como está, ele deve libertar-se delas o suficiente para evitar que o trabalho de meditação mística se torne uma fonte de autoflagelação e de perigo social. Ninguém pode negar que um treinamento metódico adequado seja um fator altamente valioso para obter resultados eficazes em qualquer esfera. Isso deve ser também verdade para a esfera espiritual. Não lhe é pedido que seja um santo, mas que seja sincero. Os instintos devem ser purificados, as paixões acalmadas, os sentimentos refinados e os pensamentos concentrados. Ele deve ser bastante corajoso para livrar seus pensamentos de falsidades debilitantes e suas emoções de egoísmos devastadores.

Você está preparado para devotar muitos e muitos anos e muita concentração a esses estudos? A iluminação não é uma questão simples, mas é obra de profundo labor... Só depois de passar pelas purificações prescritas pode o aspirante estar suficientemente pronto e preparado para revelar o lado místico e intuitivo de sua natureza sem a interferência de bloqueios ou dos preconceitos do lado animal... Antes que o homem possa absorver a verdade, precisa preparar-se para isso. De outra forma, a influência e a violência da paixão haverão de obscurecer sua visão, e a oscilação da emoção pessoal desequilibrará sua compreensão, o apego e a aversão afetarão o caráter exato do seu entendimento. Se não tiver saído em busca da verdade, mas apenas da comprovação dos seus próprios preconceitos e superstições, é natural que não a encontre. É por isso que a purificação mental e a disciplina emocional são necessárias no início.

Aquele que segue a Busca precisará cuidar de suas deficiências de intelecto, preencher as falhas da personalidade, combater a fraqueza da vontade e desenvolver as virtudes necessárias por meio do autotreinamento. Ele deve ficar profundamente envergonhado de suas fraquezas, profundamente arrependido de seus pecados. Sua primeira tarefa é desenterrar e descobrir, de maneira IMPLACÁVEL e IMPARCIAL, as raízes ocultas de seu caráter e especialmente de seus apegos, fraquezas e repulsas. É fácil e humano projetar nossos desejos no universo de nossa experiência e introduzir nossas FANTASIAS no universo de nossas ideias. Assim, a busca do Eu Superior deve começar com a disciplina do eu inferior. O objetivo dessa disciplina é limpar o coração de emoções negativas e bloqueadoras, é limpar a mente de pensamentos falsos e distorcidos.

O que ele aceitou até agora — da hereditariedade, da tradição e da sociedade — como hábitos de vida corretos e normais terá que ser severamente questionado e, em muitos casos, alterado e reformado. Ele terá de deixar de lado algumas coisas familiares e assumir novas normas... Essa autodisciplina é pouco atraente e pouco desejável para os que se instalaram em rotinas comodas. Mas, a menos que a natureza inferior seja subjugada e passe a obedecer à natureza superior, as experiências da vida deixarão de cumprir o propósito da vida. O candidato que se encontra diante da Esfinge deve estar preparado para se separar das ilusões às quais se apegou por tanto tempo, das paixões que dão força a essas ilusões e das trivialidades egoístas.

Seu trabalho prático começará quando ele entrar no estágio de autopurificação, quando repudiar — pouco a pouco ou, se tiver força suficiente dentro de si, de uma só vez — os elementos de animalidade que prejudicam seu movimento para o alto e mantêm sua mente imersa no físico. Uma das lições mais difíceis e necessárias a serem aprendidas na vida é compreender e controlar a própria natureza emocional. Ela precisa ser constantemente observada e compreendida, e suas energias devem ser redirecionadas para gerar a condição de calma e estabilidade interior indispensável ao progresso. Uma parte necessária desse estudo é observar como as condições emocionais dos outros influenciam e afetam as nossas, e também o processo inverso.

Para se colocar numa atitude adequadamente receptiva à iluminação que a Verdade traz, ele deve fazer várias correções em si mesmo E POR SI MESMO. Deve descartar a intolerância, a estreiteza, a mesquinharia que rejeita qualquer pessoa ou condena nações inteiras pela sua aparência, por sua religião, por sua história passada ou por sua condição social. Ele precisa jogar fora toda a malevolência e inimizade com relação aos outros. Precisa acabar com o anseio sem fim de mais e mais posses, que estimulam ambições cada vez mais fortes. O trabalho prático da busca procurar erguer-se acima das atitudes infantis, das emoções de adolescentes e das paixões animais.

O autodomínio é um dever pessoal de todos os que querem fazer alguma coisa da vida, e muito mais daquele que busca. Seja qual for o método usado para purgar defeitos e máculas do seu caráter, ou erros e ilusões da sua mente, seja pelo esforço positivo da vontade, seja pela constante contemplação do ideal, ele precisa afastar-se substancialmente do velho homem se quiser assumir o novo.

Se ninguém pode prever com certeza quando chegará a hora da realização, pode pelo menos prepara as condições essenciais para a sua chegada. Façamos isso, portanto, e esperemos humildemente pelo fruto do nosso trabalho. Quem consegue instilar em si esse tipo de paciência, que está bem distante da inércia indolente, irá longe nesse caminho.

Paul Brunton — Práticas para a Busca Espiritual 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)


O IMPOPULAR DRAMA OUTSIDER — O encontro direto com a Verdade absoluta parece, então, impossível para uma consciência humana comum, não mística. Não podemos conhecer a realidade ou mesmo provar a existência do mais simples objeto, embora isto seja uma limitação que poucas pessoas compreendem realmente e que muitas até negariam. Mas há entre os seres humanos um tipo de personalidade que, esta sim, compreende essa limitação e que não consegue se contentar com as falsas realidades que nutrem o universo das pessoas comuns. Parece que essas pessoas sentem a necessidade de forjar por si mesmas uma imagem de "alguma coisa" ou do "nada" que se encontra no outro lado de suas linhas telegráficas: uma certa "concepção do ser" e uma certa teoria do "conhecimento". Elas são ATORMENTADAS pelo Incognoscível, queimam de desejo de conhecer o princípio primeiro, almejam agarrar aquilo que se esconde atrás do sombrio espetáculo das coisas. Quando alguém possui esse temperamento, é ávido de conhecer a realidade e deve satisfazer essa fome da melhor forma possível, enganando-a, sem contudo jamais poder saciá-la. — Evelyn Underhill