“Não se pode falar do oceano para um sapo do brejo — criatura de uma esfera mais acanhada. Não se pode falar de um estado isento de pensamento para um pedagogo; sua visão é demasiado restrita”. — Chuang Tzu

Uma conversa de descondicionantes terabytes

Vinho: Amigo, você precisa vir aqui, com mais calma, para conversarmos mais de sites, cuidar do ser e tomar um café!

Out: O que menos quero na vida, é perder tempo conversando sobre sites... Isso, para mim, é pura perda de vida; você já se perguntou se você foi "convocado" para esta vida com a finalidade de fazer sites?

Vinho: Ok. Não era comercialmente, mas estou desenvolvendo para um cara que é "manager".

Out: Por favor, me compreenda, compreenda que não digo isto com o intuito de ofensa, nem de preconceito de classe profissional.

Vinho: Concordo! Mas, profissionalmente, gosto disso e também de banco de dados.

Out: Cara, essa é que a merda do ser humano... Dividir a vida por setores!... Emocionalmente, espiritualmente, profissionalmente... Que merda é essa de "profissionalmente"? Só aqueles que não descobriram sua REAL VOCAÇÃO - ou seja a expressão da voz do coração — é que vivem esse tal "profissionalmente"...

Vinho: Eu sei disso, mas neste momento, é o que faz pagar as minhas contas... Mas sei que sobrevivo e que não vivo!

Out: E ai eu pergunto: até quando?... Sabe, penso que não somos sérios; se o fossemos, talvez, sentaríamos para conversar e investigar isso com propriedade, com intensidade, com toda a nossa energia, afinal, trata-se de nossa vida.

Vinho: Sei muito bem que o Facebook, meu site, minha empresa, não são a razão da minha existência.

Out: A casa de nossa vida está pegando fogo, ardendo, sendo consumida e nós, aqui, brincando de ser um "responsável profissional realizado"...

Vinho: As questões espirituais são maiores que as materiais, mas, "Namastê", não paga as minhas contas...

Out: Isso porque, talvez, você não tenha nada de original... Talvez seja uma pessoa de segunda mão; uma imitação barata das ideias dos outros, ideias pelas quais você tem pago por anos... Pago para aprender, para depois, ter que mendingar para vender seu produto de segunda mão... Se tivesse algo de original, talvez, estariam correndo atrás de você e, quem sabe, sobraria tempo para muito mais "Namastê"... Por favor, não responda rápido; reflita; deixe isso reverberar ai dentro, pois, afinal, trata-se da sua existência sem vida!... Percebo que, por anos, apenas existimos e, o pior de tudo, pensando que vivemos!

Vinho: Concordo parcialmente, mas, não me considero uma pessoa de segunda mão. Entendi dentro do conceito que colocou mas, me considero digno dentro das qualidades que possuo, além dessa vida e de outra, pois também, quem te garante que as crenças budistas, espiritualistas sejam o único caminho?

Out: Não estou falando sobre nada disso de "crenças"... Ao meu ver, a crença é uma influência que a consciência do real, prensa!... Por favor, se me permite, sugiro que você saia dessa postura defensiva; estou falando do problema humano, onde, pelo que me parece, amigo, infelizmente, você está incluso.

Vinho: Não estou na defensiva, mas defendendo meu ponto de vista.

Out: Cara, veja o absurdo do que você acabou de escrever... Veja a redundância... Me parece pura falta de bom senso!... "Não estou na defensiva, mas defendendo meu ponto de vista"... A C O R D A! É o mesmo que dizer: "não estou bebendo água; mas estou bebendo água"... Sei muito bem, que só de pensar em olhar para isso, nossa mente, nosso interior - cuja base é medo - se agita!... Se rebela de forma imatura!

Vinho: Defender o ponto de vista não significa apenas se defender, pois não preciso disso... Acredito em tudo que é bom dentro de tudo, dos dogmas, etc.

Ou: A mente se defende; temos medo de olhar, de observar, de questionar nossa "pseudo zona de conforto"... Desse modo, os dias passam lentos e bem longe da potencialização de nossos REAIS TALENTOS.

Vinho: Claro que é você quem está com as pedras brancas neste jogo de xadrez que estamos jogando! Estou jogando com as pretas que se defendem (risos)

Out: Cara, você é meu amigo, veja... Por favor, veja... Veja.. Não estou atacando, por isso, não há porque se defender. Veja... Peço para que você, de forma aberta, sem nenhuma defesa...

Vinho: Sei que está com a razão e que, quando eu acordar, possa estar muito no final, mas, brother, não tenho como bancar meu pão sem a informática.

Out: Cara, para de se justificar, o que é uma forma de defesa... Só tente escutar!

Vinho: Está certo! Não está mesmo atacando, é só um dialogo; sorry!

Out: Estou pedindo — e pedindo de coração — para que você, alguém que nutro carinho...

Vinho: Sei que faz isso com sua alma, coração, é por isso que sempre te escutei!

Out: E que sei que — como eu no passado, por muitos anos — hoje sofre pra cacete, as escondidas... Apenas observe o que estou falando sem qualquer tipo de defesa... Vou tentar explicar o porque, isso se sua mente reativa me permitir! (risos)... Veja... Por favor... Veja... Acompanhe... Se acompanhar, de mente aberta, se escutar com o coração, nesse próprio escutar do coração, perceberá se o que digo é falso ou verdadeiro; portanto...

Vinho: Amigo, comigo tem toda plena abertura pra falar sempre tudo, pois por isso te chamo de AMIGO... Tenho poucos! E, você, é um deles!

Out: Não é preciso de pedras brancas ou pretas aqui. Olhe, vamos lá... Tivemos uma educação, seja parental ou escolar, que foi uma merda de castração, de formatação...

Vinho: Brinquei do lance do Xadrez e agora vou ler...

Out: ...de eliminação de toda nossa ORIGINALIDADE, autenticidade, poder criativo... Nos transformaram — claro que de forma inconsciente — em memorizadores de um passado morto, com sua tradições arcaicas e disfuncionais, que não servem em nada para a compreensão de nossos atuais desafios, os quais nos são impostos pela vida; recebemos sempre os novos desafios da vida com o nosso olhar em nosso embolorado acervo de conhecimento...

Vinho: O que você quer dizer com isso? Que temos que dedicar um tempo maior para a vida e menos para o trabalho?... Se for isso, concordo muito!

Out: Não se trata de concordar ou discordar! Se ficarmos ai, não sairemos do nível mental das palavras... Por favor, se me permite a sugestão, desacelere sua mente reativa e apenas tente acompanhar... Tente, tente isso: só observar o que digo... Nossa educação, tanto parental, como escolar e social, arrebentou o processo de descoberta de nossa vocação criativa; fechou hermeticamente o conhecimento de nosso sentido de vida, de nossa participação qualitativa para o mundo de relação...

Vinho: Somos escravos de nós mesmos!

Out: Calma! tente não escrever; tente observar com todo os seus músculos, com todo o seu ser, não de forma parcial fragmentária... Nossa educação nos "mesmerizou", nos tornou uma "cópia ambulante"; usando a linguagem da informática, nos tornou um backup de sistemas alheios... encheu a HD de nossa mente, com um bando de dados alheio, com uma complicada linguagem codificada, a qual instalou um poderosíssimo firewall, que por sua vez, impediu — e continua a impedir — a manifestação de nosso estado natural estado criatico... Tudo isso criou também, dentro de nós, um antivírus que cria resistência para qualquer possibilidade de observar o conteúdo de conversas que apontem para a nossa inabilidade de viver com folga.

Vinho: O cara do filme "Matrix", em seu primeiro filme, bem que tentou demonstrar isso... Colocam mesmo um chip dentro de nós!...

Out: Calma, calma... Só acompanhe, cacete! penso que essas falas suas, também fazem parte do atualíssimo antivírus, mesmo que essas falas compactuem com a abordagem, elas impedem a real compreensão, aqui e agora, compreensão essa que pode causar uma tremenda revolução, em nosso modo de ver a vida. Veja... Vamos com calma... Por que temos que trabalhar em cima de sistemas alheios?... Não responde! Apenas deixe reverberar ai... Por que não somos uma ferramenta de manifestação do não manifesto?... Calma... Não responda!... Deixe reverberar!... Por que não somos — realmente — criativos?... Sei muito bem, por experiência própria, como isso dói de ser percebido visceralmente... Mas, se não olhamos de forma factual, se não trazemos à luz a nossa realidade... Ela permanece lá, na sombras, impedindo o despertar da inteligência criativa amorosa, a qual penso ter uma mensagem única,

pessoal, intransferível... Mensagem essa que só pode vir ao mundo do manifesto por meio do "veículo" que é você... E, que por ser uma mensagem única, o mundo por estar dela necessitado, pagará o que for preciso. No entanto, como essa inteligência é amorosa, nunca cobrará por privilégios umbigóides, autocentrados! Em consequência dessa amorosidade que é a essência dessa inteligência, só vai espaço para aquilo que é o estritamente necessário — o que quebra a continuidade do sistema de autointeresse, pelo qual todo sistema funciona. Penso que essa inteligência não busca por privilégios, mas sim, pela concretização dos direitos coletivos. Agora, veja: se você tem o coletivo ao seu lado, como poderá mendigar?... Mesmo os assim chamados "ricos", fazem parte desse coletivo. Percebe para onde estou tentando apontar?... Então, o que digo é que precisamos inventariar de forma destemida, a nossa triste realidade de uma existência sem vida, destituída do exercício de tempo para a manifestação do ócio criativo. Sem olhar, sem pesquisar o fato dessa realidade, não vejo como alterá-la; só vejo a triste e enfadonha continuidade em seu curso, através de cursos que nada falam à nossa realidade interior. Sei que isso pode soar como assustador; a simples ideia de olhar para isso nos amedronta, nos enche de ansiedade.

Vinho: Não é assustador!

Out: Bem, para mim, assim foi... E muito! Mas, superado o medo, vista a realidade, na ocorrência dessa visão, deu-se a ação que não foi fruto de desejo — o qual está sempre vinculado às nossas experiências passadas — ; o desejo sempre aponta para o conhecido, portanto, não traz consigo, revelação. Ao contrário, todo desejo, parece nos manter num estado de defesa, o qual garanta a continuidade de nossa satisfação momentânea, que narcotiza nossa realidade só por momentos, mas que é seguido sempre de dor ao quadrado. Depois da satisfação, sempre vem o estado de vazio... Sabemos disso!... Penso que, só a revelação, momento a momento, é que tem o poder de nos plenificar e isso não pode ocorrer se não estamos abertos ao criativo — que é algo que somos e não que temos... Nós somos essa criatividade! Não há essa coisa de uma entidade que pensa ter criatividade! Somos essa criatividade! Não temo criatividade! Parece louco isso? Portanto, se ocorre uma crise real, em nosso interno, crise essa que abale substancialmente esse nosso pernicioso e venenoso estado de conformismo a um modo de vida de segunda mão, ocorre nessa crise, a possibilidade de um estado de abertura para o NOVO. É interessante aqui notar que a palavra "crise" tem o mesmo inicio de "crisálida"; crisálida é o momento de reflexão do nosso voraz estado de horizontalidade materialista da lagarta, a qual, depois de cansada da limitada identificação dos sentidos, através de um profundo período de isolamento, de silêncio meditativo — o que não significa a busca literal de isolamento físico — busca potencializar seu intrínseco estado de borboleta, com o qual encontra novas possibilidades nunca se quer antes imaginada. Nesse novo estado de ser, há beleza, leveza e liberdade de ação. Essa conformose, essa doença do conformismo é que nos mata lentamente. A vacina de imunização dessa doença da conformose, se dá pela agulha afiada da observação factual, sem que ocorra espaço para qualquer tipo de defesa, de julgamento, de justificação... Apenas olhar o fato de que somos pessoas de segunda mão, sem que percebamos, nos abre as portas para o processo de resgate da originalidade que somos, em nós abafada por uma cultura mesmérica, por uma cultura de moda, pela qual somos literalmente "modelados". Penso que é urgentemente necessário ver isso — não de forma intelectual ou verbal — mas sim, de forma visceral, holística; sem a percepção disso, teremos que continuar aplacando o vazio de nossa existência sem vida — como há muitos anos temos feito — através de alguma forma de narcotização: seja pelo trabalho, pela aquela fedorenta ideia de "comer o pão através do suor de nosso rosto", seja pela cervejinha diária, pelo sexo destituído de amor, seja pela lucrativo mercado da pornografia, seja pelas conversas de balcão que não geram reflexão nutritiva, seja pelos tumultuados passeios pelos shoppings que nos escravizam aos nossos extratos de cartão de crédito, ou então, como quase todos hoje estamos viciados, pelo Facebook, em nossas coleções de frases curtas e de curto impacto que nos fazem parecer ser conscientes.

Vinho: Agora você não bebe sua cervejinha? Não faz amor? Não tem que fotografar para pagar suas contas?

Out: ok! Isso já era de se esperar... Novamente a natural atitude de defesa, só que, agora, através desse transgeracional vício comparação... A mente é realmente uma merda!... Esse chip é forte mesmo! E com a velocidade de mil terabytes por segundo!

Vinho: Não é comparação, mas você também vive no sistema, mesmo querendo voar dele!

Out: Não, eu não estou inserido nesse sistema... Acha que isso que lhe escrevo possa ser resultado de algo não vivido?

Vinho: Se você bebe e trabalha, está nele inserido, mesmo que por momentos.

Out: Isso me parece ser uma análise muito infantil; me perdoe! Penso ser uma forma de escapismo da real, bem imatura, por sinal! No meu entendimento, não há nenhum problema na ação em si, mas sim, no espírito que move tais ações.

Vinho: Imatura? Por que? Quando curto os bens materiais, tipo a cerveja e cármico tipo sexo é infantil? E você? É transcendental?

Out: Me reportei no sentido de como tentamos aplacar nosso imenso e disfarçado vazio. Veja: se nossa conversa ficar no nível do confronto mental de limitados e condicionados pontos de vista, não haverá espaço para um real encontro entre nós. Para isso, o que é exigido de nós, é um poderoso estado de honestidade emocional... Em vista disso, se me permite, lanço-lhe umas perguntas, perguntas estas que, se você for realmente honesto, talvez, possam lhe roubar boas horas de sono, podem tornar seu travesseiro um enorme peso. São elas: Você é feliz? Você ama? Você é criativo?... Se você é feliz — de fato — não há porque continuarmos esta conversa; se você sabe o que é amor — de fato — não há porque continuarmos esta conversa; se você sabe o que é criatividade — de fato — não há porque continuarmos esta conversa... se você sabe o que é liberdade — de fato — não há porque continuarmos esta conversa...

Vinho: Claro que, de modo geral, não sou feliz! Afinal, falta amor em vários sentidos!

Out: Agora, se você e eu, percebemos de forma madura, séria, que não temos isso... continuamos com peças brancas e pretas, em cima do velho tabuleiro, ou jogamos tudo isso no chão e olhamos para isso?

Vinho: O problema é que você não está conversando, mas, discursando!

Out: Bem, se para você, conversar é reagir rapidamente sem ao menos se dar ao trabalho de escutar com profunda atenção um ponto de vista em todo seu contexto

então, é melhor mesmo, pararmos por aqui.

Vinho: Para mim conversar é ouvir, mas interagir.

Out: Mas, você acha mesmo que sabe o que significa ouvir?

Vinho: Dialogar. poder colocar pontos de vista, pois sei o que você quer: passar a mensagem de viver e não de apenas sobreviver; sair do sistema... Sei!

Out: Bem, sendo assim, acho que chegamos ao fim, afinal, como você mesmo afirma: você já sabe!... Sua xícara "parece" cheia!... Para o que estou tentando apontar — enquanto sua mente insiste em interromper com a velocidade de processamento de um Pentium 7 — é preciso um forte chute psíquico para quebrar sua xícara!

Vinho: Tenho muito para aprender, saber a respeito do que você está falando... Sei muito bem que, infelizmente, fomos transformados em robôs... Observei de vez isso, um dia desses no metrô, observando como as pessoas iam trabalhar, sem pestanejar, sem sorrir; estavam lendo, mas se perguntássemos sobre uma passagem do texto, penso que não saberiam falar do que liam... Isso me assustou!

Out: Cara, não existem pessoas aqui, só eu e você, então, quem é robô?

Vinho: Estou falando de modo geral.

Out: Mas eu não quero falar de modo geral; quero falar sobre nós dois aqui!

Vinho: Nem um de nós é robô. Ok.

Vinho: Penso que, generalizar, faz parte do softer que instala o tal processo de robotização.

Out: Você tem mesmo a certeza de que nenhum de nós está num modo de vida robotizado? Olhe bem para isso! Será que realmente podemos afirmar isso?

Vinho: Apenas exemplifiquei... Sei que também sai da minha casa para repetir as mesmas tarefas... Até a Rádio que ouço repete as mesmas notícias, problemas, músicas. Mas, quero de fato parar e pensar, refletir e fazer algo útil para minha vida, sair dessa prisão... esta exemplificação acima foi mais uma defesa!

Out: Veja, se possível for, mais tarde, veja bem, mais tarde, releia esta conversa e, perceba, ao mesmo tempo em que a lê, o que ocorre em sua mente diante daquilo que está lendo... Quando fazemos isso, sem que percebamos, estamos achando os fragmentos... É como se passássemos um scandisk mental, de forma silenciosa, em busca de possíveis bad blocks em nossa HD mental, os quais bloqueiam a livre expressão da criatividade. Para mim é um fato: sem a criatividade, nossa vida será uma eterna rotina, um processo de mesmerização; mesmerização essa que vai dar no vazio existencial, o qual sempre teremos que narcotizar de algum modo. Portanto, meu convite foi lançado: vá para você! Vá para a observação do ser que lhe faz ser...

Vinho: Se você realmente tiver paciência em me ajudar, ficarei contente, mas sou teimoso, terá que ter paciência. Isso é vero! É uma robotização e fico contente que tem uma pessoa, você que conseguiu se desvincular desse lado.

Out: Vá para a observação daquilo que você pensa ser e, através dessa observação, descubra aquilo que você realmente é... Nisso está o criativo; nisso está a liberdade; nisso está a fonte da única riqueza necessária... E só nisso se encontra a inteligência que somos...

Vinho: Então acha que minha vida é triste porque não extraio nada do meu ser?

Out: Lá vem você de novo... Por que você se preocupa com o que eu possa pensar ou não sobre sua vida? Não seria esse tipo de preocupação o que nos limita?... Essa constante preocupação com o parecer alheio?

Vinho: Porque você é meu mentor nessa transformação... Não é fácil sair do mundo robotizado e mergulhar no seu sem trocar informações...

Out: Não há nada disso aqui, nada dessa merda de ser mentor... Somos amigos amigos conversando sobre esse cansaço de tentar continuar fazendo parte do coro dos contentes; amigos com coragem para fazer uso de uma rebeldia inteligente, a qual aponta para o não conformismo criativo, o qual gera reflexão e profunda responsabilidade, ou seja, a capacidade de responder por aquilo que vemos como verdade.

Vinho: Tem algum livro básico que possa me emprestar?

Out: Olha, tenho os blogs, os quais lhe passei, mas na real?... O melhor livro que lhe indico é a leitura do livro que você é, ler esse livro sem pular páginas, até, quem sabe, encontrar a assinatura do seu autor...

Vinho: Entendi!

Out: Veja,amigo...

Vinho: Tenho que encontrar a mim mesmo!

Out: Precisamos de muita maturidade para olhar de frente no espelho e assumir a realidade de que não sabemos o que é amor, felicidade, liberdade e genuína criatividade. Se mascaramos isso, o que nos espera ao fim do baile da vida? Penso que nada!... A música se foi e não a ouvimos!... Não fizemos parte da banda... Só a vimos passar, enquanto na janela, brincávamos de fingir ser feliz!

Vinho: Sensacional esse último parágrafo da conversa; é realmente o que penso: amor, felicidade, liberdade e genuína criatividade... Teve um tempo que só pensava na liberdade e nunca fui livre!

Out: Pois então, como encontraremos isso de fato? Será externamente?... Ou internamente?

Vinho: Internamente!

Out: Poderemos encontrar isso se não olharmos de forma séria para aquilo que impede a ocorrência desse estado?... Percebo que, o medo, é o nosso maior entrave!... O medo de olharmos para isso com seriedade, sem justificar, sem fugir, mas vendo: observar, absorver o que é falso e verdadeiro e, nessa observação, se absolver de tudo aquilo que nos limita... E, percebo que só nos abrimos para esse estado de observação isento de escolha, de forma visceral, de forma integra, somente quando realmente estamos em crise com nossas zonas de conforto... Antes disso, continuamos empurrando a existência sem vida, com a barriga, ou seja, enchendo a barriga de coisas que não aplacam tal vazio da ausência de SER. Bem, vou almoçar! Acho que nossa conversa foi muito nutritiva. Você me permitiria postá-la em meu blog Histórias para cuidar do ser?

Vinho: Sim, pode postar no Blog! Beleza!

Out: Penso que conversas como essas, podem ajudar outras pessoas a refletirem sobre isso também.

Vinho: Boa pra caramba essa conversa!

Out: Obrigado! Então, depois te mando o link! Se cuida!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)