“Assimila o que puderes, das verdades destas páginas — e cria em tua alma uma atmosfera propícia para compreenderes mais, com o correr dos anos e tua progressiva evolução espiritual, que consiste essencialmente na abolição do egoísmo em todos os seus aspectos, e na proclamação de um amor sincero e universal para com todas as criaturas de Deus”. — Huberto Rohden

A verdade libertadora - 1ª conferência em Estocolmo



CONSIDERO importante compreender a relação que deve estabelecer-se entre um orador e seus ouvintes, entre mim e vós, porquanto eu não estou representando a Índia nem filosofia indiana, e tampouco vou falar sobre os ideais e doutrinas do Oriente. A meu ver, nossos problemas humanos, quer sejamos orientais, quer ocidentais, são idênticos. Cada um de nós pode ter costumes diferentes, diferentes hábitos, diferentes valores e pensamentos, mas, fundamentalmente, sinto que temos todos os mesmos problemas.
Muitos são os nossos problemas, não é verdade? - problemas sociais, econômicos e, mais especialmente, talvez, problemas religiosos; e atualmente todos nos aplicamos a eles de diferentes maneiras. Consideramo-los, apenas, parcialmente, como cristãos, como hinduístas, comunistas ou seja o que for, ou os separamos como problemas orientais ou ocidentais. E, por considerarmos os nossos problemas parcialmente, com essas diferentes formas de condicionamento, parece-me que não os estamos compreendendo. Creio que a maneira de considerar o problema é muito mais significativa do que o próprio problema e que, se pudéssemos aplicar-nos às nossas numerosas dificuldades sem nenhuma espécie de condicionamento ou preconceito, chegaríamos, provavelmente, a compreendê-los a fundo.
Assim sendo, permito-me salientar quanto é importante descobrirmos por nós mesmos, cada um de nós, a maneira como estamos tentando resolver os numerosos problemas humanos que nos assediam; porque, se a esse respeito não estivermos bem esclarecidos, então, penso eu, por mais que nos empenhemos para compreender os complexos problemas da vida e toda a confusão e contradição em que nos vemos envolvidos, nunca o conseguiremos. Por isso mesmo, bem valeria a pena, parece-me, examinarmos as crenças, os preconceitos, os dogmas e as idéias que, de diferentes maneiras, estão agora corrompendo a mente e impedindo-a de ser livre para descobrir o que é a verdade, a realidade, Deus, ou como quiserdes chamá-lo. E devo afiançar-vos que se necessita de um interesse extraordinário para tal fazer - para descobrirmos, no decorrer desta palestra, os numerosos obstáculos à compreensão e percebermos como a mente - o único instrumento de descobrimento com que contamos - está embotada em virtude de tantos pensamentos, emoções, temores, hábitos e condicionamentos que, compõem a sua estrutura.
Para descobrirmos tudo isso, considero essencial não escutar o que se está dizendo como se se tratasse de mera conferência ou discurso - pois não é nada disso - porém, antes, acompanhar, cada um, enquanto vou falando, as reações de sua própria mente. Pois o importante, naturalmente, é compreendermos o verdadeiro funcionamento de nossa mente. O mero concordar ou discordar não cria a compreensão; cria só confusão e contradição, não é verdade? Mas se, ao contrário, pudermos acompanhar, paciente e inteligentemente, o que se está dizendo, sem julgar, sem comparar, sem concordar ou discordar, de modo que vejamos a mente funcionar, então, talvez, descobriremos por nós mesmos a maneira de considerarmos os nossos inúmeros problemas.
Nosso pensar se tornou dependente de nosso ambiente, porque estamos manietados por inúmeros preconceitos - preconceitos nacionalistas, ideológicos, religiosos, etc. Estamos sempre a buscar segurança, a buscar algum meio de confiarmos em nós mesmos, tanto interior como exteriormente, não é exato? E quer-me parecer que enquanto estivermos empenhados nessa busca de segurança, de confiança em nós mesmos, de certeza, não estaremos livres para examinar os nossos problemas e descobrir se é possível dar-lhes solução definitiva. Por certo, só quando compreendemos a nós mesmos, quando observamos o nosso próprio processo mental - o que, afinal, é autoconhecimento - só então existe a possibilidade de descobrirmos por nós mesmos o que é verdadeiro, o que é a realidade. Para isso, não há necessidade de instrutor, de guia, de escrituras, de nenhuma autoridade, enfim. O descobrir e compreender os movimentos de nosso pensar e de nosso sentir dá-nos a possibilidade de resolver nossos próprios problemas, que são também problemas sociais.
Mas é muito difícil pensarmos sem ser de determinada maneira, sem ser de acordo com determinado conjunto de valores, dogmas, crenças ou teorias. Tanto ansiamos por uma solução aos nossos problemas, que nunca nos detemos para considerar se o instrumento de que nos estamos servindo - a mente, minha e vossa - está verdadeiramente livre para investigar. A mente repleta de conhecimentos, crenças, teorias, não está, por certo, livre para investigar o verdadeiro. Mas, se pudermos compreender e dissolver o condicionamento, os preconceitos e dogmas que nos estão enevoando a mente, talvez então esta se torne livre para descobrir, pois, assim, a própria verdade atuará sobre o problema, em vez de ficar a mente lutando por uma solução por meio de seu próprio condicionamento - que não pode levá-la a parte alguma.
Eis porque acho tão importante saber escutar. Mui poucos de nós somos capazes de escutar verdadeiramente; mui poucos dentre nós ouvimos ou vemos as coisas com verdadeira clareza, porque tudo o que observamos ou ouvimos é imediatamente interpretado, traduzido pela mente, de acordo com nossas próprias idéias e idiossincrasias. Pensamos estar compreendendo mas não estamos, por certo. De tal maneira estamos sendo distraídos por nossas opiniões e conhecimentos, pelo aprovar ou reprovar, que nunca vemos o problema como ele de fato é. Mas, se pudermos desembaraçar-nos de nossos peculiares pontos-de-vista e, escutando, seguindo o funcionamento da mente, perceber o fato tal qual é, acho que veremos então manifestar-se um processo completamente diferente, o qual nos habilitará a considerar os nossos problemas com plena liberdade, e clareza.
Por essa razão, creio necessário escutar totalmente.  Atualmente, escutamos apenas com uma parte de nossa mente, sendo-nos dificílimo dispensar atenção completa não só ao que se está dizendo agora, mas a tudo que se nos depara na vida. Temos problemas inúmeros - os problemas religiosos, sociais, econômicos, e mais os problemas da vida, da subsistência, da morte; e quer-me parecer que o próprio processo de nosso pensar está aumentando esses problemas. O modo como funciona o nosso pensar - nossa mente - é condicionado, não? Condicionado pela religião em que fomos criados, por nossa nacionalidade, nossos pontos-de-vista políticos, nossas circunstâncias econômicas, e inumeráveis outras influências. Tudo isso concorreu para moldar a nossa mente de uma determinada maneira; e, se desejarmos libertar-nos dessa pressão, dessa influência, então, decerto, é inútil tratarmos meramente de abandonar uma dada forma de autoridade para procurarmos uma forma nova, um método novo, uma nova crença. É isso, no entanto, o que sempre estamos fazendo. Por certo, só a mente que está livre, por inteiro, de toda e qualquer autoridade, consciente ou inconsciente, é capaz de descobrir se existe uma realidade que transcende as meras concepções mentais. A mente livre é aquela que se libertou de toda crença, de todos os padrões de pensamento, conscientes ou inconscientes. Na atualidade, todo o nosso pensar resulta de nosso especial condicionamento, nossas experiências, lembranças, temores, esperanças, acumulados através do tempo. Em tais condições, é bem óbvio que a mente não está livre. Só existe liberdade quando o processo do pensamento, no seu todo, foi compreendido e transcendido; e só então se torna possível o surgir de uma mente nova regenerada.
Assim sendo, pode a mente libertar-se de seu próprio condicionamento, para considerar de maneira nova os seus problemas? Pode ser livre a mente? - não como cristã, hinduísta, sueca, comunista, ou seja, o que for, nem puramente no sentido de abandonar um dado ideal, crença ou hábito, porém livre para descobrir o que significa transcender todas as influências e contradições, mentais e sociais.
Como está reagindo agora a mente? Reagir, concordando ou discordando, é de todo vão, uma vez que tal reação é produzida por nosso próprio fundo, nosso acervo de saber e de crença.  Mas, "experimentar" o que se está passando em nós mesmos, isso parece-me verdadeiramente proveitoso. Ora, pode-se investigar inteligentemente, pacientemente, para descobrir se há alguma possibilidade de libertarmos a nossa mente de todo parcialismo, toda influência, habilitando-a, assim, a transcender suas próprias atividades? Do contrário, nossa vida será sempre muito superficial, vazia - e talvez quase todos estejamos nesse caso. Temos um enorme acervo de informações, conhecimentos, inumeráveis crenças, credos, dogmas, mas na realidade somos muito superficiais e infelizes. Embora, em certos países, externamente, se haja estabelecido a segurança econômica, contudo, interiormente, psicologicamente, o indivíduo permanece incerto, inseguro. E a segurança exterior, física, que todos os entes humanos, sem distinção de nacionalidade, desejam e necessitam, torna-se impossível para todos nós, em virtude de nossa ânsia de segurança interior, psicológica. A própria ânsia de segurança interior impede a compreensão. Só quando a mente já não é ambiciosa, já não busca nem exige nada, está livre para descobrir o que é verdadeiro, o que é Deus.
É por esta razão que tanto importa compreendermos a nós mesmos - não analiticamente, ou seja uma parte da mente analisando outra parte, pois daí só pode resultar mais confusão - porém verdadeiramente cônscios, sem julgar nem condenar, da maneira como agimos, das palavras que empregamos, de todas as nossas variadas emoções, nossos recônditos, pensamentos. Se formos capazes de nos olharmos sem paixão, de modo que as emoções ocultas não sejam recalcadas, porém  trazidas à luz e compreendidas, nossa mente se tornará então deveras serena; e só aí encontraremos a possibilidade de viver a pleno a vida.
São essas as coisas que penso devemos sondar juntos. Podemos ajudar-nos uns aos outros a achar a porta da Realidade, mas cada um tem de abrir a si mesmo essa porta; tal é, a meu ver, a única ação positiva.
Assim sendo, urge operar-se, em cada um de nós, uma revolução interior, uma revolução religiosa; porque só esta revolução religiosa poderá mudar a direção de nosso pensar. E para que possa produzir-se esta revolução, é necessária a silenciosa observação das reações da mente, sem julgamento, condenação ou comparação. A mente é agora estéril, não criadora, no lídimo sentido da palavra, não é exato? Ela é uma coisa artificial, constituída das acumulações da memória. Enquanto existir inveja, ambição, busca interesseira, não pode haver o estado criador. Parece-me, por conseguinte, que o mais que podemos fazer é compreendermos a nós mesmos, as operações de nossa mente; e esse processo de compreensão representa uma ingente tarefa. Não é coisa que se faz esporadicamente, que se deixa para mais tarde, para amanhã, mas que deve ser feita todos os dias, a cada momento, continuamente. Compreender a si mesmo é estar cônscio, espontaneamente, naturalmente, dos movimentos do pensar. Começa-se, assim, a perceber todos os ocultos motivos e intenções que nutrem os nossos pensamentos, e resulta, daí, a libertação da mente dos processos que a tolhem e limitam. Ela está então tranqüila; nessa tranqüilidade pode manifestar-se, de modo espontâneo, algo que não é produto da mente.
Há algumas perguntas para responder e acho que seria bem proveitoso apurarmos o que se entende por "fazer uma pergunta" e o que se entende por "obter uma resposta". Afinal de contas, existem respostas para as momentosas e fundamentais questões do amor, da vida, da morte, da existência futura? Só fazemos perguntas quando nos vemos confusos, não é verdade? Por conseguinte as respostas, também, terão de ser confusas. Assim sendo, muito importa não ficarmos dependendo das respostas de outros, e examinarmos o problema diretamente, por nós mesmos. A dificuldade, pois, não está em fazer a pergunta ou obter a resposta, mas, sim, em ver o problema claramente. E quando há clareza, já não há necessidade de perguntas nem de respostas.

PERGUNTA: Nós, suecos, em geral não gostamos de aplicar-nos à solução dos problemas da vida tão só com a mente, deixando de lado as emoções. É possível resolver algum problema só com a mente ou só com as emoções?

KRISHNAMURTI:   Achais tão fácil separar da mente as emoções? Ou queremos referir-nos, não às emoções, porém ao sentimento? Todos somos sentimentais - não é verdade? - e todos gostamos das respostas que nos dão um sentimento de satisfação, de segurança; mas isso, decerto, é uma maneira muito superficial de apreciar as coisas. Para a compreensão de qualquer problema, necessita-se de uma mente penetrante; e quando a mente está embotada por opiniões, juízos, tradições, temores, é incapaz de penetração. Não é só com a mente ou só com as emoções que se pode apreciar uma coisa de maneira completa; é com a totalidade do nosso ser. E isto é dificílimo: apreciar uma coisa totalmente, plenamente, livremente. Dificílimo considerarmos com todo o nosso ser o problema da morte, do amor, do sexo, etc. - porque estamos sempre construindo alguma resposta, crença ou teoria. Se a resposta nos agrada, aceitamo-la; se desagrada, rejeitamo-la. E nunca podemos apreciar um problema de maneira total, se nossa mente só está interessada numa resposta, buscando uma maneira de viver, uma segurança interior.
Os mais de nós estamos forcejando por compreender nossos problemas com a mente confusa; nós estamos confusos, embora, em geral, não queiramos admiti-lo. Quando um homem está confuso, todas as suas ações só poderão conduzi-lo a uma confusão, a uma angústia ainda maior. Se, portanto, nos interessa dissipar a confusão reinante no mundo, devemos, em primeiro lugar, descobrir e reconhecer, perante nós mesmos, que estamos confusos, completamente. Mas, ao percebermos nossa confusão, em geral desejamos atuar imediatamente contra ela, fazer alguma coisa para dissolvê-la, reformar-nos, alterar-nos - e isso só tem o efeito de acentuar a confusão. E é difícil em extremo determos essa estéril atividade, que representa uma mera fuga da realidade, de o que é. Só quando desistimos da fuga e, com a totalidade de nosso ser, enfrentamos o fato, que é nossa confusão, só então temos a possibilidade de dissolvê-la. Ninguém pode fazer isso em nosso lugar; temos de fazê-lo nós mesmos.

PERGUNTA: A delinqüência juvenil está aumentando. Por que razão, e qual o remédio?

KRISHNAMURTI: As raízes deste problema não estão profundamente cravadas na estrutura da moderna sociedade? E a sociedade não é o produto de nós mesmos?
Vivemos em guerra uns com os outros - não é verdade? - porque desejamos ser importantes nesta sociedade; estamos todos lutando para alcançar sucesso, chegar a certa parte, adquirir virtude, tornar-nos algo. Política, econômica, social e religiosamente, queremos atingir um objetivo, ter do melhor ou ser o melhor de todos, e nesse processo existe temor, inveja, avidez, ambição, crueldade.  Toda a nossa sociedade está assentada nesse processo. E queremos forçar nossos filhos a adaptar-se à sociedade, a ser iguais a nós, a ajustar-se ao padrão da chamada cultura. Mas dentro desse padrão existe a revolta, tanto entre os pequenos como entre os adultos.
O problema se torna mais complexo ainda, se consideramos atentamente o nosso sistema de educação. Cumpre-nos averiguar o que se entende por educação. Qual a finalidade da educação?  Obrigar-nos a nos submetermos, a nos ajustarmos à sociedade? É isso justamente o que agora estamos fazendo aos nossos filhos. Ou consiste a educação em ajudar o jovem, o estudante, a tornar-se cônscio de todas as influências condicionadoras - nacionalistas, religiosas, etc. - para delas libertar-se? Se temos verdadeiro empenho a esse respeito - e deveríamos tê-lo - nesse caso cumpre-nos estudar a criança realmente, não achais? Não a sujeitaremos a nenhuma influência ou autoridade, para moldá-la de acordo com um padrão, mas, sim, ajudá-la a se tornar cônscia de todas as influências, para que cresça em liberdade. Observá-la constantemente, atentamente - notando os livros que lê, os heróis que cultua, observá-la quando trabalha, quando, brinca, quando repousa, e ajudá-la a ser não condicionada, livre.
Ajudar o jovem a se tornar cônscio de todas as tendências nacionalistas, dos preconceitos, das crenças religiosas que condicionam a mente - isso significa, realmente, que devemos, em primeiro lugar, tornar-nos cônscios de nossas próprias maneiras de pensar, não achais?
Afinal de contas, nós, os adultos, não sabemos viver juntos; vivemos numa eterna batalha uns com os outros e dentro em nós mesmos. Esta batalha, esta luta se projeta na sociedade; e a tal sociedade queremos ajustar o nosso filho. Não se pode alterar a sociedade; só o indivíduo pode alterar-se. Mas nós não somos indivíduos, somos? Estamos engolfados na massa, na sociedade; e se não compreendermos a nós mesmos, se não libertarmos a mente das limitações que a si mesma impôs, como poderemos ajudar a criança?

Pergunta: Pode-se viver no mundo sem ambição?  O não ter ambição não nos leva ao isolamento?

KRISHNAMURTI: Esta me parece uma questão fundamental. Podem-se ver no mundo os efeitos da ambição. Todos querem ser algo. O artista aspira a ser famoso, o colegial a ser presidente, o padre a ser bispo, etc. Cada um, neste mundo inteiro, está tentando, está lutando, forcejando, para se tornar importante. Mesmo em nosso sistema de educação, o aluno não inteligente é comparado com o aluno inteligente - e isso é uma coisa sumamente estúpida. E vemos o resultado dessa ambição projetado no mundo. Cada nação quer manter a todo custo a própria soberania.
Pois bem: o interrogante deseja saber se podemos libertar-nos dessa ambição e, se o pudermos, se não ficaremos isolados da sociedade. Porque esse medo de estar libertado da ambição, porque esse medo de estar sozinho? Podem coexistir a ambição e o amor? A mente que a todos os momentos está lutando para ser algo, para se tornar notável, essa mente, por certo, não sabe o que é amor. Enquanto estivermos cultivando a ambição, estaremos isolados. Nós já estamos isolados, não achais? Mas, como sabeis, admitimos a ambição. Se um homem vive numa aldeiola distante ou se vive numa cidade populosa, desde que possa intitular-se alguma coisa - sueco, hindu, dinamarquês, isto ou aquilo - sente ele, então, que é alguém. Ser respeitável, ser notável, ter poder, posição, dinheiro, virtude - todas essas coisas nos dão um sentimento de importância. Por isso, é muito difícil não ser ambicioso.
O homem que é como se nada fosse, esse homem é sem medo, sem ambição; está só, mas não está isolado. O libertar-se da ambição exige muita penetração, inteligência e amor; mas o homem que se acha num tal estado, que é mesmo que nada, não está isolado.
14 de maio de 1956.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)


O IMPOPULAR DRAMA OUTSIDER — O encontro direto com a Verdade absoluta parece, então, impossível para uma consciência humana comum, não mística. Não podemos conhecer a realidade ou mesmo provar a existência do mais simples objeto, embora isto seja uma limitação que poucas pessoas compreendem realmente e que muitas até negariam. Mas há entre os seres humanos um tipo de personalidade que, esta sim, compreende essa limitação e que não consegue se contentar com as falsas realidades que nutrem o universo das pessoas comuns. Parece que essas pessoas sentem a necessidade de forjar por si mesmas uma imagem de "alguma coisa" ou do "nada" que se encontra no outro lado de suas linhas telegráficas: uma certa "concepção do ser" e uma certa teoria do "conhecimento". Elas são ATORMENTADAS pelo Incognoscível, queimam de desejo de conhecer o princípio primeiro, almejam agarrar aquilo que se esconde atrás do sombrio espetáculo das coisas. Quando alguém possui esse temperamento, é ávido de conhecer a realidade e deve satisfazer essa fome da melhor forma possível, enganando-a, sem contudo jamais poder saciá-la. — Evelyn Underhill