“Assimila o que puderes, das verdades destas páginas — e cria em tua alma uma atmosfera propícia para compreenderes mais, com o correr dos anos e tua progressiva evolução espiritual, que consiste essencialmente na abolição do egoísmo em todos os seus aspectos, e na proclamação de um amor sincero e universal para com todas as criaturas de Deus”. — Huberto Rohden

Sobre a dissolução do observador e a coisa observada


Antes de mais nada, é preciso ressaltar aqui, nossa profunda gratidão ao ABC espiritual inicial com o qual nos deparamos em nossas "irmandades mães", que nos acolheram após um doloroso período de "choque psíquico", através do qual a acabamos conhecendo essa benção que são os Doze Passos, esses princípios aí. Então, já não dava mais para ficar trabalhando só a questão da dependência do padrão de comportamento de ativa, isso já não estava mais nos nutrindo, ficar passando uma mensagem do passado, quando o sofrimento presente, ainda estava aqui: essa questão do pensamento. Dentro da Irmandade de N/A - Neuróticos Anônimos — da qual eu fazia parte — seus membros batiam muito na tecla das emoções, mas, eu vejo que a "doença", ela é mental, ela começa no pensamento! Então, foi ai que a gente iniciou esse grupo de pensadores compulsivos e já são sete anos que estamos mantendo reuniões presenciais  — que é um grupo bem pequeno mas que tem trazido qualidade e transformação que tem nos brindado com uma qualidade de autonomia psicológica nunca antes imaginada e, passamos a sentir a necessidade de tentar compartilhar desta vivência com talvez outros membros que, dentro de suas "irmandades mães", se ressentem com os mesmos sentimentos de insatisfação diante da limitada e repetitiva fala da consciência coletiva dos grupos em que fazem parte, hoje, psicologicamente distantes.
Hoje, para mim, está bem claro que a "doença" tem sua origem no pensamento condicionado, nessa mente que não para e que vive criando imagens, separações e conflitos. Durante anos, fui um membro muito participativo em alguns dos grupos anônimos, principalmente nos Neuróticos Anônimos. Em São Paulo, participei da iniciação dos primeiros grupos de DASA - Dependentes de Amor e Sexo Anônimos; principalmente em N/A, prestei serviço por muitos anos — foram dezessete anos com os anônimos — e, quando comecei a falar sobre essa questão do pensamento como sendo a natureza exata, o fator X de toda forma de conflito ou de comportamento obsessivo compulsivo, acabei batendo de frente com o que estava sendo falado, principalmente em muitas palestras feitas em N/A, por uma líder que é quase um mito dentro dessa irmandade, onde ela, apoiada num livro de fora desta irmandade, o livro de David Viscott, cujo título é A linguagem dos Sentimentos, afirmava que a doença eram as emoções e os sentimentos. No entanto, se você parar para observar a própria palavra "sentimento", verá que ela aponta para o "sentir do mental"; então, é uma coisa ilógica, se a própria literatura desta Irmandade, em seu principal livro, intitulado "As Leis da Doença Mental e Emocional" — mais conhecido como o Livro Vermelho — o qual logo em seu título deixa claro que a doença não parte do emocional, mas sim, do mental; o emocional é só um derivativo do processo do desequilíbrio do pensamento acelerado, esse fluxo que sempre funciona na linha do tempo: passado e futuro... Sempre trazendo aquelas lembranças, memórias eufóricas ou depressivas, criando em cima disso, projeções, conjecturas, imaginações, imagens; e ficamos presos nesse movimento na ponte do tempo psicológico, passado e futuro, sem conseguir viver com toda a plenitude de nosso ser, com todas as células de nosso organismo, aquilo que convencionei chamar de a "Excelência do Agora". Não há nada de novo nisso que estou relatando; os anônimos, em seu lema "Só Por Hoje", pela grande maioria, compreendido de maneira muito limitada, já tenta expressar essa importância de cortar a vida em pedacinhos mastigáveis. Digo que a compreensão deste lema é limitada, porque sua própria concepção alimenta a continuidade da indevida importância dada ao tempo, ainda que sustentada apenas em 24 horas. Para uma mente viciada no tempo, até mesmo 24 horas se assemelha a uma overdose emocional, para a qual, um excelente antídoto se encontra no "só por agora". Quando comecei a falar sobre isso, é lógico que comecei a enfrentar sérios problemas nas salas; literalmente fui convidado a estar me retirando dos grupos, com a alegação de que estava causando confusão na mente de seus membros em geral, o que não era de forma alguma, uma realidade constatada. Boa parte dos membros mais novos, por ainda não estarem profundamente condicionados aos condicionamentos perpetrados nessa irmandade, aceitavam de bom grado o conteúdo de nossas falas; somente os mais antigos não conseguiam assimilar do frescor revitalizante do mesmo e, por não aceitarem — talvez por medo — levantaram a bandeira da proteção à estagnante tradição comportamental a que estavam acometidos, e que nada tem em comum com a essência dos princípios espirituais contidos em suas chamadas "Doze Tradições". Em vista disso, percebemos ser necessário nos afastarmos dessas irmandades e nos entregarmos para uma "carreira espiritual solo" onde poderíamos ir mais a fundo no estudo daquilo que se encontra devidamente apontado no princípio do 5º Passo de todo grupo anônimo: a descoberta da "natureza exata" de todo conflito humano. Inicialmente, em todos os grupos anônimos, a admissão do primeiro passo — admissão à impotência diante de algum padrão comportamental obsessivo compulsivo — é o preço de entrada para a participação em tal grupo. Os que forem sérios na observância e prática dos demais passos propostos nestes grupos, em determinado momento de consciência, se depararão com a questão: "o que os mais antigos quiseram alegar com a expressão 'natureza exata' de nossas imperfeições? Qual é a essência, qual é o conteúdo, qual é a natureza dessa natureza exata? Do que é composta? Será ainda um droga ou um comportamento específico?" Os que se abrirem de forma minuciosa e destemida para questões parecidas com essas, fatalmente se depararão com a percepção de que, a natureza exata, o fator X de todo conflito humano está numa mente completamente acelerada, disfuncional, cheia de conceitos, de crenças, de condicionamentos, de achismos, manias e tendências, os quais impedem de ela ter um estado de unidade interna entre mente, coração e energia vital; então, o conflito que impede a presença de um estado de bem-estar comum é justamente a questão de a mente pensar uma coisa e o coração sentir outra, ou vice-versa. É aí que moram os nossos conflitos que nos fragmentam e nos distanciam do desfrute da vida de relação autêntica, nos impedindo de estar na vida de relação de forma inteira, holística, se a presença de qualquer tipo de resistência protecionista; estamos sempre com um pé atrás, e o que é o medo? O medo é pensamento. Você não pode ter medo sem ter um pensamento; veja bem que, mesmo quando você tem uma situação que ocorre sem você esperar, naquele momento, você não pensa em nada, não é assim? Agora, o medo existe quando a mente começa a criar situações, imagens do que poderia ser, do que poderia ter ocorrido e ali ficamos presos naquele movimento interno, aparentemente sem saída.
É ai que hoje vejo a importância da meditação, da observação do que passa na mente sem estar fazendo qualquer tipo de julgamento; observando mesmo, isso que é meditar! A reparação do 8º Passo não é mais, para mim, uma questão de reparação de ter que ir ter com alguém quando piso na bola; não! Reparar, olhar, perceber o fluxo que passa na mente sem me identificar com esse fluxo, uma vez que ficou claro que não sou o pensamento! Se estou observando o pensamento, eu não sou o pensamento! Então, não é preciso mais me identificar com eles, porque, era através dessas identificações com esse material que se passava na mente que eu me descontrolava por completo, uma vez que acreditava ser aquilo que via na mente. Por meio disso, começou a se instalar um "observador"; quando se instalou esse observador, começou a terminar o processo de identificação mecânica/reativa; começou a se mostrar difícil a identificação e a consequente alimentação de antigos padrões comportamentais e, o melhor de tudo, isso ocorrendo sem a presença do antigo esforço que demandada tamanha perda de energia vital. No entanto, mesmo com a presença do observador, ainda se apresenta o conflito, muito menor, mas ainda, conflito. É comum em nossas conversas de grupo presencial, brincarmos entre nós mediante a questão se a instalação desse "observador" seria um mal ou uma benção, porque, quando se instala esse observador, fica por vezes, bastante difícil de viver porque, num mundo onde ninguém quer  ver, num mundo onde ninguém está vendo nada — ou se está vendo, prefere fingir que não vê —  se você começa a observar... Você começa a ter dificuldades! Aqui é preciso muito cuidado para não nos tornamos "ácidos ou amargos" diante da qualidade daquilo que observamos. Aqui é preciso muita paciência, tanto com o observador, quanto com a coisa observada. Hoje fica muito claro que, sem a experiência direta de um estado de ser que transcenda os limites do pensamento — algo que é expresso no princípio do 12º Passo dos anônimos — torna-se impossível a dissolução do espaço existente entre observador e coisa observada e, consequentemente, a instalação de um estado de ser dotado de unidade interna, bem estar comum, autonomia psicológica e transbordamento ético amoroso, criativo, vocacionado.  
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)


O IMPOPULAR DRAMA OUTSIDER — O encontro direto com a Verdade absoluta parece, então, impossível para uma consciência humana comum, não mística. Não podemos conhecer a realidade ou mesmo provar a existência do mais simples objeto, embora isto seja uma limitação que poucas pessoas compreendem realmente e que muitas até negariam. Mas há entre os seres humanos um tipo de personalidade que, esta sim, compreende essa limitação e que não consegue se contentar com as falsas realidades que nutrem o universo das pessoas comuns. Parece que essas pessoas sentem a necessidade de forjar por si mesmas uma imagem de "alguma coisa" ou do "nada" que se encontra no outro lado de suas linhas telegráficas: uma certa "concepção do ser" e uma certa teoria do "conhecimento". Elas são ATORMENTADAS pelo Incognoscível, queimam de desejo de conhecer o princípio primeiro, almejam agarrar aquilo que se esconde atrás do sombrio espetáculo das coisas. Quando alguém possui esse temperamento, é ávido de conhecer a realidade e deve satisfazer essa fome da melhor forma possível, enganando-a, sem contudo jamais poder saciá-la. — Evelyn Underhill