“Assimila o que puderes, das verdades destas páginas — e cria em tua alma uma atmosfera propícia para compreenderes mais, com o correr dos anos e tua progressiva evolução espiritual, que consiste essencialmente na abolição do egoísmo em todos os seus aspectos, e na proclamação de um amor sincero e universal para com todas as criaturas de Deus”. — Huberto Rohden

Filme - Moebius


Título Original: Moebius
Ano: 1996
Duração: 88 min.
País: Argentina
Direção: Gustavo Mosquera
Roteiro: Cristiani Pedro, Gabriel Lifschitz, Arturo Onatavia (História: Deutsch AJ)
Música: Mariano Nunes West
Foto: A. Penalba & F. Rivaro
Elenco: Guillermo Angelelli, Roberto Carnaghi, Levy Anabella, Petraglia Jorge
Produtor: Gustavo Mosquera
Gênero: Mistério / Sci-Fi

Sinopse: No futuro não muito distante, um misterioso acidente ocorre no metrô de Buenos Aires. Um comboio de 30 passageiros desaparece no circuito fechado do sistema de metrô. A investigação será iniciada para encontrar a causa dessa desmaterialização. Um jovem topógrafo lidera a investigação com base em alguns mapas perdidos e arquivos. Ele não consegue encontrar o velho engenheiro que concebeu a intrincada rede do metrô, até que aparece uma jovem que vai facilitar a obtenção das primeiras pistas. Tudo parece ser inútil, mas um evento aleatório que vai colocar sua vida em risco o coloca em uma pista impossível, e ele vai enfrentar a surpreendente revelação final.

Comentário: Este filme foi baseado no conto de A.J. Deutsch de 1950 “A Subway Named Mobius” e é o primeiro filme produzido pela Escola Superior de Cinema de Buenos Aires. Seu objetivo foi essencialmente pedagógico. Os jovens estudantes, mais do que procurando por uma experiência de trabalho, passam pela porta principal para chegar ao mágico e maravilhoso mundo da criação do cinema.

Sem um olhar profundo, corre-se o risco de se ver em Moebius apenas mais um filme de ficção num subterrâneo qualquer. Muito mais do que isso, Moebius apresenta em suas entrelinhas, fortíssimos arquétipos, representados pelo mergulho nas profundezas da alma humana, nos subterrâneos do Ser que nos faz ser, em busca da compreensão da vida, em busca da iluminação, da descoberta de novas realidades onde se torna claro a ilusão do tempo psicológico e da separatividade, bem como o estado de sonambulismo coletivo e seu modo superficial e apressado de viver. Moebius, insiste fortemente na importância da sensibilidade da escuta e do olhar, sem os quais, torna-se impossível o contato com o inusitado, o atemporal e inefável. Mostra a representação entre a experiência do absurdo, quase morte e da Graça, capaz de trazer graça para tudo aquilo que já não tem graça. Moebius apresenta de maneira simples, sem a necessidade de grandes produções, o processo da transformação de uma mente limitada pela sua forma analítica, cartesiana, numa mente que sente de maneira holística.


Algumas falas do filme:

"O subterrâneo é sem dúvida, um símbolo dos tempos atuais. Um labirinto onde em silêncio cruzamos com nossos semelhantes, sem saber quem são nem para onde vão. Centenas de rotas, nas quais aproveitamos para estabelecer um balanço, rever uma situação e tentar abordar mais que um trem, uma mudança de vida... É um estranho jogo, no qual submergimos nos mesmos infintos tuneis, sem nos darmos conta de que em cada transferência estamos mudando definitivamente nosso destino. No subterrâneo achei a mais poderosa máquina de olhar, porém nunca cheguei a imaginar o que em pouco tempo iria me ocorrer..."

O que acontece é que nós vivemos uma palavra, onde ninguém escuta, meu querido Prad... Eles não entendem o que está acontecendo... Eles nunca acordarão antes de descobrir que estão adormecidos. O que há com você? Você está assustado, Prad?... Vertigem... Isso é normal. Ninguém pode enfrentar o infinito sem sentir vertigem. Ninguém pode experimentar isto sem sentir uma discordância profunda. Se estamos nos movendo à velocidade do pensamento, como pode alguém estar encantado pela vida?

...Por que eu deveria preferir não ficar aqui nas sombras se lá fora é um mar de surdez, que está nos levando a ser irremediavelmente ingratos? Não pode ser possível que tudo se perca. Que fique aqui em nossas almas.




A essência deste filme pode muito bem ser descrita nestas palavras de Krishnamurti:

"Para galgardes as alturas, precisais começar de baixo. Para irdes longe, deveis partir de perto. Para alcançardes o cume da montanha, deveis primeiramente atravessar as sombras do vale. E assim, ó amigos, porque eu peregrinei pelo vale, porque demorei no meio das sombras, porque sofri e amei, desejo dizer-vos, da plenitude do meu coração, que o caminho direto é o único caminho, e que a união simples é a melhor união. E quando houverdes compreendido esse caminho, quando houverdes realizado essa união, o tempo e todas as suas complicações deixarão de existir. Sereis então vosso próprio Senhor, vosso próprio Deus, vossa própria Luz. E, uma vez realizado isso, todas as outras coisas serão secundárias e, portanto, desnecessárias."

Krishnamurti - A Finalidade da Vida - 1928
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)


O IMPOPULAR DRAMA OUTSIDER — O encontro direto com a Verdade absoluta parece, então, impossível para uma consciência humana comum, não mística. Não podemos conhecer a realidade ou mesmo provar a existência do mais simples objeto, embora isto seja uma limitação que poucas pessoas compreendem realmente e que muitas até negariam. Mas há entre os seres humanos um tipo de personalidade que, esta sim, compreende essa limitação e que não consegue se contentar com as falsas realidades que nutrem o universo das pessoas comuns. Parece que essas pessoas sentem a necessidade de forjar por si mesmas uma imagem de "alguma coisa" ou do "nada" que se encontra no outro lado de suas linhas telegráficas: uma certa "concepção do ser" e uma certa teoria do "conhecimento". Elas são ATORMENTADAS pelo Incognoscível, queimam de desejo de conhecer o princípio primeiro, almejam agarrar aquilo que se esconde atrás do sombrio espetáculo das coisas. Quando alguém possui esse temperamento, é ávido de conhecer a realidade e deve satisfazer essa fome da melhor forma possível, enganando-a, sem contudo jamais poder saciá-la. — Evelyn Underhill