“Assimila o que puderes, das verdades destas páginas — e cria em tua alma uma atmosfera propícia para compreenderes mais, com o correr dos anos e tua progressiva evolução espiritual, que consiste essencialmente na abolição do egoísmo em todos os seus aspectos, e na proclamação de um amor sincero e universal para com todas as criaturas de Deus”. — Huberto Rohden

Krishnamurti — O Eterno, Infinitamente Sagrado

     O cérebro, que é tão antigo e extraordinariamente hábil, e que possui um espectro  infinito de capacidades, evoluiu com o tempo até chegar a adquirir uma enorme quantidade de conhecimento. Mas, será possível que, do jeito como  se encontra tão fortemente condicionado e exposto ao desgaste ele possa ser rejuvenescido? Poderá este nosso cérebro livrar-se de todo o sentido de continuidade, de modo a poder começar de novo? Poderá esse cérebro tornar-se completamente inocente? Emprego a palavra inocente  no sentido de  ser incapaz de  sentir mágoa. Ou seja, um cérebro que seja não só incapaz de magoar os outros como também incapaz de se deixar magoar.
     O nosso cérebro — o cérebro de todos nós, seres humanosevoluiu ao longo de  tempo sem conta e foi condicionado tanto pelas diferentes culturas como pelas religiões assim como também pelas pressões econômicas e sociais. Esse cérebro tem prevalecido por um incontável período de tempo nessa continuidade, até ao presente, e assim pôde encontrar sentido de segurança  através desse longo período de duração. É por essa razão que aceitamos a tradição, porque pela tradição e pela imitação, pelo conformismo, nós obtemos segurança, do mesmo modo que através da ilusão. É evidente que todos os nossos deuses não passam de uma ilusão, criada pelo pensamento. Qualquer crença ou fé constitui uma forma de ilusão. Não há necessidade nenhuma de se ter uma crença ou uma fé; no entanto, se possuirmos uma crença, seja em Deus, em Jesus, em Krishna ou o que quiserem, isso dar-nos-á a sensação de sermos protegidos e de nos acharmos no seio de Deus; todavia isso não passa de uma ilusão.
     Mas estávamos a questionar a possibilidade do cérebro descobrir um fim para a continuidade do tempo. Essa continuidade, que se acha baseada na continuidade do conhecimento, é considerada como um avanço, como uma forma de progresso e evolução, mas eu estou precisamente a contestar isso. Sempre que o cérebro procura a continuidade torna-se mecânico. Todo o pensamento é um processo mecânico porque se baseia na memória, quepor seu turnoconstitui uma resposta do conhecimento. Assim, não existe tal coisa como 'pensamento novo'.
     O "eu", o "mim", é um processo de continuidade. O "eu" tem sido utilizado por milhares de anos, geração após geração e constitui um processo de continuidade. Mas tudo aquilo que é contínuo é mecânico, e não contém nada de novo. Perceber isso é uma coisa maravilhosa.
     Por favor, peço-lhes que escutem em silêncio; não concordem comigo mas escutem apenas. Enquanto o cérebro registar mágoas e sofrimento,  isso dar-lhe-á sentido de continuidade. Dá-nos a ideia de um "eu" que possui um sentido de existência contínuo. Enquanto o cérebro registar, á semelhança do computador, há de ser mecânico. Quando somos insultados ou  elogiados o cérebro regista, como vem fazendo há milhares de anos. Tal é o nosso condicionamento; todo um movimento no sentido do progresso. Porém, queremos saber se será possível registar somente aquilo que for relevante e nada mais que isso. Porque haveremos de registar uma mágoa? Porque devemos registar quando alguém nos insulta ou lisonjeia? Quando registamos issoquando o cérebro faz o registo dissoesse registo impede a observação daquele que nos insultou. Quer dizer, vocês observam a pessoa que acabou de os insultar ou elogiar com uma mente, com um cérebro que fez o registo daquilo,  de modo que não consideram a pessoa em questão. Mas porque  esse registo forma uma continuidade, encontramos segurança nela. O cérebro diz: " Como já fui magoado uma vez, o melhor é registar isso, conservar a sua lembrança para desse modo evitar ser magoado no futuro". Fisicamente isso pode ser determinante, mas psicologicamente será? Nós fomos magoados porque a mágoa constitui um ato de nos movermos no tempo da construção da imagem que possuímos de nós mesmos, e dessa forma sempre que essa imagem sofre uma alfinetada sentimos mágoa. Enquanto preservarmos  uma imagem de nós mesmos sempre poderemos sair magoados. Portanto será possível não possuirmos imagem nenhuma e, consequentemente, registo nenhum? Estamos a estabelecer a base para a pesquisa daquilo que constitui a meditação.
     Será possível não registarmos psicologicamente e registarmos unicamente aquilo que for relevante  e necessário? Quando tivermos estabelecido ordemquando existir ordem na nossa vidaentão deverá resultar liberdade. Mas somente a mente desordenada segue no encalço  da liberdade. Quando chegamos a possuir uma ordem total, então essa mesma ordem representará liberdade.
     Para nos aprofundarmos neste assunto, precisamos compreender a natureza da nossa consciência. Essa consciência é formada pelo  seu conteúdo e não existe separada desse conteúdo. Esse conteúdo forma a nossa consciência. E o conteúdo é a nossa tradição, as nossas ansiedades, o nosso nome, a nossa posição. Isso forma  o conteúdo e  molda a nossa consciência. Poderá toda esta consciênciaque inclui o cérebroa mente com todo o seu conteúdo, ter noção de si própria, noção da sua duração, e tomar uma parte dessa consciência (como o apego) para a fazer cessar voluntariamente? Isso significará um rompimento com toda a continuidade. Perguntava se será possível registarmos unicamente aquilo que for necessário e relevante e nada mais além disso. Entendamos toda a beleza dessa questão e as suas implicações, a sua intensidade. Eu afirmo que é possível. Eu poderia explicar, porém a explicação não é um fato. Não se deixem apanhar pelas explicações, mas procurem chegar ao fato por intermédio delas. Então as explicações não mais terão  importância.    
   O movimento do tempo, o movimento do pensamento, o movimento do passado, modificados no presente, prosseguem e formam uma continuidade. Isso é todo o movimento que o cérebro regista; de outra forma não seria possível possuirmos conhecimento. O conhecimento implica continuidade, e, portanto, ao encontrar segurança nessa continuidade o cérebro é forçado a fazer registo. Esse movimento alastrou a todo o campo psicológico. Mas o conhecimento é sempre limitado. Não existe conhecimento omnipotente, porém o cérebro ao encontrar segurança no movimento do conhecimento, adere a ele, e passa a interpretar todo o incidente de acordo com o passado. E desse modo o passado adquire uma tremenda importância para o cérebro, porque  ele próprio  é esse  passado.
     Todavia, é lógico que o vosso próprio intelecto perceba com muita clareza que, aquilo que sofre continuidade não possui nada de novo,  aquele aroma novo; nem a nova terra nem o novo céu. Desse modo o intelecto questiona-se da possibilidade de uma cessação da continuidade que não constitua perigo para o cérebro, porque, caso não passemos pelo processo dessa continuidade então estaremos perdidos. Se pusermos  um fim á continuidade, o que será de nós? O cérebro mostrou que só pode funcionar com base na segurança, seja ela verdadeira ou falsa, mas a continuidade do processo de registo conferiu-lhe segurança. Aí nós dizemos para connosco: " Regista somente o que for necessário e relevante, e nada mais". Mas subitamente o cérebro sente-se perdido. Ele funciona com base na busca de segurança e por isso  diz: " Dá-me segurança e eu prosseguirei no encalço dela".
     Existe segurança é claro, mas não esse tipo de segurança. Consiste ela ao invés, em colocar o conhecimento e o pensamento no seu devido lugar. A própria ordem no viver só é possível quando o cérebro tiver compreendido o modo desordenado em que vive,  enquanto que, ao mesmo tempo chama a isso  segurança. Quando tomar consciência do quanto a segurança implica em colocar cada coisa em ordemou seja, registar tudo aquilo que for relevante e não o irrelevanteentão o cérebro dirá: "Eu compreendi a coisa,  captei-a, consegui obter um insight sobre todo este movimento da continuidade". E dessa forma obtém um clarão de compreensão. Esse insight é o resultado da ordem completa que acontece quando o cérebro dispôs cada coisa no seu devido lugar. Então poderemos ter um insight completo sobre a totalidade do movimento da consciência, e desse modo o cérebro registará somente aquilo que for necessário e nada além disso. Mas isso implica que a atividade do cérebro sofra uma mudança,  do mesmo modo que a própria estrutura do cérebro, porque a visão de uma coisa de modo renovadocomo que pela primeira vezconduz à operação de uma nova função. Quando o cérebro vislumbra algo de novo, passa a existir uma função nova, e passa a nascer um organismo novo. É completamente necessário que a mente e o cérebro se tornem jovens,  revigorados, joviais, inocentes, juvenis, mas isso só acontecerá quando não existir nenhuma forma de registo.
     Fará o amor parte desta consciência? O amor poderá sofrer continuidade? Dissemos que a consciência é continuidade e tradição. Mas será que o amor faz parte  desse campo ou está totalmente apartado dele? Eu estou simplesmente a expor a questão, a desafiar uma resposta. Não parto do pressuposto de que faça ou deixe de fazer. Mas, se fizer parte desse campo da consciência, não fará também parte do pensamento? O conteúdo da nossa consciência é criado pelo pensamento. As crenças, os deuses, a superstição, as tradições, o medo, tudo isso faz parte do pensamento. Mas fará o amor parte desse pensamento ou desta consciência? Ou seja, será o amor desejo, prazer, sexo? O amor fará parte do processo do pensamento? Será uma recordação?
     Enquanto o intelecto for predominante, o amor não poderá, possivelmente, existir  nem surgir, qual orvalho da madrugada. Mas a nossa civilização adora o intelecto porque o intelecto possibilitou a criação de teorias sobre Deus, e criou princípios e ideais. Portanto, o amor fará parte dessa corrente, dessa consciência? Poderemos ter amor quando sentimos ciúme?  Poderemos sentir amor quando nos achamos apegados á nossa esposa, ao nosso marido, ou filho? Poderemos ter amor quando carregamos a lembrança, a recordação, a imagem da atração sexual? Poderá o amor ter continuidade? Por favor, pensem bem nisso porque nós não temos amor  no coração e por isso o mundo se encontra na  confusão em que está.
   Para alcançarmos esse amor, é preciso que a corrente da consciência sofra um  findar: a inveja, o antagonismo, a ambição, o desejo de poder, o desejo de nos tornarmos melhores e sermos pessoas ilustres, a busca de poderseja o poder de levitar, o de efetuar negócios, o poder que a  posição confere, o poder da política,  da religião ou o poder que exercemos sobre a nossa mulher, marido ou  filhos. Onde existir um sentimento de egoísmo, não poderá existir esse amor. Mas esse processo de registar constitui a essência do egoísmo. O fim da nossa infelicidade será o início da compaixão, porém nós usamos a infelicidade como meio para avançarmos e nos tornarmos melhores. Mas é, ao invés, pelo findar de uma coisa que poderá ocorrer algo de infinitamente novo.
     Devemos possuir espaço, não fisicamente mas espaço mental, o que significa  não andarmos tão ocupados. Mas a nossa mente está sempre ocupada: "Como poderei parar de tagarelar?" ou "Eu preciso produzir espaço na mente; Preciso ficar em silêncio", etc. A dona de casa ocupa-se da cozinha ou  dos filhos, o devoto ocupa-se com o seu Deus, o homem vulgar ocupa-se com a sua profissão, com o sexo, com o trabalho, com o objeto da sua ambição, ou então com a sua posição. A mente está inteiramente ocupada, de modo que não resta espaço nenhum.
     Devemos estabelecer na nossa vida uma ordem que não tenha nada a ver com a ordem da disciplina nem do controle. Pudemos perceber com toda a inteligência como a ordem só pode resultar da compreensão da própria desordem. Muito importa que produzamos ordem na nossa vida e nos nossos relacionamentos, porque a vida é relacionamento,   movimento,  atitude   empreendida no campo da relação. Porque se o  relacionamento com a nossa esposa, marido, com os filhos ou com os vizinhos não possuir ordemestejam eles próximos ou afastadosentão esqueçam toda a meditação. Se não possuirmos ordem na nossa vida e tentarmos meditar, cairemos na armadilha das ilusões. Mas se agirmos com seriedade e possuirmos essa ordem que não é temporária mas absoluta, então essa ordem poderá dar lugar á ordem cósmica porque estará em relação com ela. Essa ordem cósmica é o pôr do sol, o surgimento da lua e a maravilha do céu noturno com toda a sua beleza. A simples observação superficial do cosmos e do universo através do telescópio não constitui um fator de ordem. Mas se a nossa vida possuir ordem, nesse caso possuiremos uma relação extraordinária com o universo.
     Todavia se a mente se encontrar a abarrotar não poderemos ter ordem nem espaço mental. Como poderá ter espaço se ela se encontrar cheia de problemas? Para possuirmos espaço mental temos de resolver cada problema imediatamente, á medida que surge. Isso faz parte da meditaçãoe não carregar problemas continuamente, dia após dia. Será pois possível não andarmos tão constantemente ocupadoso que não denota falta de responsabilidade? Antes pelo contrário, quando não estamos ocupados podemos dedicar toda a nossa atenção á responsabilidade. Somente a mente ocupada pode tornar-se presa da confusão, o que torna a responsabilidade uma coisa  repugnante e chega a comportar a possibilidade da culpa. Mas por favor, não me perguntem como poderão deixar de andar tão ocupados, porque nesse caso passarão a ocupar-se de um sistema, um método ou simples lugares-comuns. Se conseguirem perceber, captar numa percepção direta, o quanto uma mente ocupada pode ser  destrutiva, e é destituída de toda liberdade e espaço, então desocupar-se-ão naturalmente.
     E nesse caso poderemos velar pela atenção. Será que  neste momento estão a prestar atenção? Que significa prestar atenção? Se estiverem a prestar atenção de verdade, não haverá um centro a partir do qual o façam, e essa atenção não poderá sofrer continuidade, como talvez gostariam que acontecesse. A continuidade é desatenção. Quando prestamos atençãoquer dizer, quando escutamos, nessa atenção não existe um centro que diz: "Eu estou a aprender, eu estou a escutar, eu estou a perceber". Existe somente o enorme sentido de totalidade, que constitui essa observaçãoescutar e aprendermas nela, não se dá nenhum movimento do pensamento. Essa atenção não pode ser sustentada por nenhum acto contínuo. Quando o pensamento declara que deve descobrir a forma de lhe chegar  ou alcançá-la, esse movimento de a tentar capturar  deverá constituir uma forma de desatençãofalta de atenção. Mas, ter consciência desse movimento exterior torna-se atenção, ficar atento. Captaram a coisa?
     A mente deve possuir amplitude de espaço, mas isso só pode acontecer se não houver a tagarelice do pensamento e se  resolvermos cada problema à medida que for surgindo. Só poderemos possuir amplitude de espaço mental quando não possuirmos um centro, porque no momento que detivermos um centro, então terá que haver uma área circundante, terá de existir um  movimento do centro para a periferia. Mas esse espaço implica a ausência desse centro, de modo que resulte absolutamente destituído de limites. A atenção implica que devemos aplicar toda a nossa energia no escutar, pela observação, mas nisso não existe centro nenhum. Daí surgirá uma mente que terá compreendido a ordem e se acha livre do medo, uma mente que terá posto fim ao sofrimento, que terá compreendido a natureza do prazer e lhe terá conferido a função adequada.
     E então colocaremos a questão: Qual será a natureza da mente que se encontra completamente imersa no silêncioe não como alcançar esse silêncio, nem como conseguir ter paz de espíritoestou a referir-me à qualidade da mente que está mergulhada num silêncio absoluto e intemporal. Qual será?
     Existe silêncio entre duas notas musicais, silêncio entre dois pensamentos ou entre dois movimentos; existe o silêncio que separa duas guerras e o silêncio que antecede a discussão seguinte entre marido e mulher. Não me estou a referir a essa qualidade de silêncio, porque ela é temporária e finita. Estou a referir-me a um silêncio que não pode ser produzido pelo pensamento e que não é cultivável;  que sucede somente quando compreendermos todo o movimento da existência. Nisso há silêncio; não se trata de perguntas e respostas nem  desafio ou buscatudo isso permanece de lado. Esse silêncio possui um enorme sentido de espaço e beleza,  um extraordinário sentido de energia. Nessa altura poderá ocorrer aquilo que é eterno e infinitamente sagrado; que não é nem produto da civilização nem do pensamento. Esse é todo o movimento da meditação.

Krishnamurti - O significado autêntico da meditação — 14 Jan. 1979
                                                       
                                                                                          
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
"Quando você compreende, quando chega a saber,
então traz toda a beleza do passado de volta
e dá a esse passado o renascimento, renova-o,
de forma que todos os que o conheceram
possam estar de novo sobre a terra
e viajar por aqui, e ajudar as pessoas." (Tilopa)



"Nos momentos tranqüilos da meditação, a vontade de DEUS pode tornar-se evidente para nós. Acalmar a mente, através da meditação, traz uma paz interior que nos põe em contato com DEUS dentro de nós. Uma premissa básica da meditação, é que é difícil, senão impossível, alcançar um contato consciente, à não ser que a mente esteja sossegada. Para que haja um progresso, a comum sucessão ininterrupta de pensamentos tem de parar. Por isso, a nossa prática preliminar será sossegar a mente e deixar os pensamentos que brotam morrerem de morte natural. Deixamos nossos pensamentos para trás, à medida que a meditação do Décimo Primeiro Passo se torna uma realidade para nós. O equilíbrio emocional é um dos primeiros resultados da meditação, e a nossa experiência confirma isso." (11º Passo de NA)


"O Eu Superior pode usar algum evento, alguma pessoa ou algum livro como seu mensageiro. Pode fazer qualquer circunstância nova agir da mesma forma, mas o indivíduo deve ter a capacidade de reconhecer o que está acontecendo e ter a disposição para receber a mensagem". (Paul Brunton)



Observe Krishnamurti, em conversa com David Bohn, apontando para um "processo", um "caminho de transformação", descrevendo suas etapas até o estado de prontificação e a necessária base emocional para a manifestação da Visão Intuitiva, ou como dizemos no paradigma, a Retomada da Perene Consciência Amorosa Integrativa...


Krishnamurti: Estávamos discutindo o que significa para o cérebro não ter movimento. Quando um ser humano ESTEVE SEGUINDO O CAMINHO DA TRANSFORMAÇÃO, e PASSOU por TUDO isso, e esse SENTIDO DE VAZIO, SILÊNCIO E ENERGIA, ele ABANDONOU QUASE TUDO e CHEGOU AO PONTO, à BASE. Como, então, essa VISÃO INTUITIVA afeta a sua vida diária? Qual é o seu relacionamento com a sociedade? Como ele age em relação à guerra, e ao mundo todo — um mundo em que está realmente vivendo e lutando na escuridão? Qual a sua ação? Eu diria, como concordamos no outro dia, que ele é o não-movimento.

David Bohn: Sim, dissemos que a base era movimento SEM DIVISÃO.

K: Sem divisão. Sim, correto. (Capítulo 8 do livro, A ELIMINAÇÃO DO TEMPO PSICOLÓGICO)


A IMPORTÂNCIA DA RENDIÇÃO DIANTE DA MENTE ADQUIRIDA
Até praticar a rendição, a dimensão espiritual de você é algo sobre o que você lê, de que fala, com que fica entusiasmado, tema para escrita de livros, motivo de pensamento, algo em que acredita... ou não, seja qual for o caso. Não faz diferença. Só quando você se render é que a dimensão espiritual se tornará uma realidade viva na sua vida. Quando o fizer, a energia que você emana e que então governa a sua vida é de uma frequência vibratória muito superior à da energia mental que ainda comanda o nosso mundo. Através da rendição, a energia espiritual entra neste mundo. Não gera sofrimento para você, para os outros seres humanos, nem para qualquer forma de vida no planeta. (Eckhart Tolle em , A Prática do Poder do Agora, pág. 118)


O IMPOPULAR DRAMA OUTSIDER — O encontro direto com a Verdade absoluta parece, então, impossível para uma consciência humana comum, não mística. Não podemos conhecer a realidade ou mesmo provar a existência do mais simples objeto, embora isto seja uma limitação que poucas pessoas compreendem realmente e que muitas até negariam. Mas há entre os seres humanos um tipo de personalidade que, esta sim, compreende essa limitação e que não consegue se contentar com as falsas realidades que nutrem o universo das pessoas comuns. Parece que essas pessoas sentem a necessidade de forjar por si mesmas uma imagem de "alguma coisa" ou do "nada" que se encontra no outro lado de suas linhas telegráficas: uma certa "concepção do ser" e uma certa teoria do "conhecimento". Elas são ATORMENTADAS pelo Incognoscível, queimam de desejo de conhecer o princípio primeiro, almejam agarrar aquilo que se esconde atrás do sombrio espetáculo das coisas. Quando alguém possui esse temperamento, é ávido de conhecer a realidade e deve satisfazer essa fome da melhor forma possível, enganando-a, sem contudo jamais poder saciá-la. — Evelyn Underhill